17 de outubro de 2009

Tempos mortos... ou vivos?

Bom dia Meu Filho, Minha Filha!

Os tempos passados no trânsito, nas paragens de autocarro, nas filas de espera, podem tornar-se demasiado incómodos. Por vezes, extenuantes até. Mas esses momentos que podem ser completa perda de tempo, podem também ser um ganho: um ganho de tempo interior para pensar na vida, para contemplar a paisagem, para ter uma boa conversa com quem te acompanha.

Por exemplo: uma viagem de metro pode ser o momento para uma viagem interior por dentro de um livro. Um semáforo vermelho pode ser o momento para dois namorados trocarem carinhos. Uma fila de espera pode ser o momento para meter conversa com quem ainda não conheces.

Em vez de desesperares, experimenta esperar com qualidade. Se assim os deixares, em vez de tempos mortos, eles tornar-se-ão tempos vivos.

Um abraço deste Pai que te ama

2 comentários:

concha disse...

Boa tarde meu Pai!
Tu que nos criaste todos diferentes, lá terias as Tuas razões.E é essa diferença que gosto de observar, principalmente quando me desloco de Metro.Em cada rosto, nem sempre vejo o Teu,mas vejo rugas que denotam sofrimento,olhares cabisbaixos,por vezes muitas preocupações, outras um sorriso vago e muitas vezes uma solidão muito grande.Algumas vezes também há olhares que se encontram com o meu e sorriem, ao que corrospondo.E nessa troca há um vislumbre de duas almas que se cumprimentam para provávelmente nunca mais se encontrarem e já me tenho questionado sobre o conteúdo da troca embora tenha sempre o sabor de um momento único em que me aproximei mais de Ti.
Um abraço desta filha que Te quer amar sempre

Reino da Fantasia disse...

Realmente! Em todas as horas da nossa vida podemos imprimir a marca da boa qualidade ou não, basta optar.Aparentemente tão fácil mas de díficil acerto quando ainda não aprendemos o valor das pequeninas coisas.bjs e paz!